Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

+ E-books Evangélicos: O Conhecimento de Deus - J. I. Packer

Sinopse e Download do ebook (doc)

E-books Evangélicos: O Conhecimento de Deus - J. I. Packer
publicado por betelnet às 14:55
link do post | comentar | favorito

+ Resenha - Os Perigos da Interpretação Bíblica


Carson, Donald A. Os Perigos da Interpretação Bíblica - A Exegese e Suas Falácias, São Paulo, SP: Edições Vida Nova, 2001, Segunda Edição em Português (Traduzido do original em inglês “Exegetical Fallacies”, por Valéria Fontana) .

D. A. Carson apresenta abordagem de vários tipos de falácias encontradas em trabalhos de exegese. Define que a falha de interpretação é enxergar num texto um elemento restrito e limitador que não pode ser demonstrado no texto em si.

O autor diz que uma interpretação crítica das Escrituras é aquela que justifica adequadamente os aspectos: lexical, gramatical, cultural, teológico, histórico, geográfico ou outro tipo.

Que é importante uma abordagem cuidadosa da Bíblia para nos capacitar à ouvi-la um pouco melhor. Não devemos aplicar ao texto bíblico as interpretações tradicionais que recebemos de terceiros, mas sempre exercer um papel crítico.

O estudo dos erros de interpretação é importante, porém contém seus riscos porque gera um negativismo contínuo é espiritualmente perigoso. O “distanciamento”, apesar disto, é um componente necessário do trabalho crítico.

É importante que haja desejo de entender as Escrituras, pois estamos lidando com os pensamentos de Deus. Precisamos nos esforçar ao máximo para interpretar e explicar a Palavra de Deus com clareza.

Antes de ler este livro já tinha uma idéia parecida da citação (pg. 16) que fala das formulações teológicas contraditórias entre os chamados “evangélicos”, onde se vê de tudo, das doutrinas mais simplórias às mais “sofisticadas”, porém muitas absurdas. Tudo isto por falta da aplicação correta da exegese por parte de alguns ou até por má-fé por parte de outros.

Após a leitura obtive uma visão do que é exegese. Aprendi que exegese é a “arte” de interpretar as escrituras da melhor forma, completa e exaustivamente, enquanto que hermenêutica diz respeito às ferramentas utilizadas ao exercício de exegese.

Achei interessantes os aspectos apontados pelo autor sobre os erros encontrados em diversas exegeses. Dentre eles me chamaram a atenção:
1 Obsolescência semântica: Significado de uma palavra que foi diferente em outra época. Ex. Pedagogo: escravo x professor;
2 Fontes Duvidosas: Utilizar pesquisas insuficientes e dando créditos alheios sem a devida verificação das fontes originais;
3 Erros lógicos: Inobservância das leis fundamentais da lógica, as quais são universalmente verdadeiras, tais como a lei da não-contradição e a lei do termo médio excluído;
4 Falácia baconiana que submete o historiador à uma busca de um objeto impossível por meio de um método impraticável. Destaca que é fundamental não deixarmos de reconhecer nossas próprias suposições, indagações, interesses e preconceitos, mas admitindo todos estes e dialogando com o texto, procurando fazer concessões para evitar confusão de nossa própria cosmovisão com as dos escritores bíblicos;
5 Distinção entre figurado e literal: “Deus deve ter um corpo, pois o texto fala do poderoso braço direito de Deus”.

O principal que aprendi foi sobre a necessidade de reconhecer a própria bagagem de convicções que cada um de nós traz consigo, especialmente aquelas herdadas, para não deixar interferir num distanciamento necessário do texto. Sempre exercer a crítica e exaurir todos os meios disponíveis de consulta e interpretação, com imparcialidade e posturas reverente e devota.


Elab.p/ J.T.Franco - Ceteg-T03/Metodologia Exegética/Prof. Carlos Henrique Machado/Seminário Presbiteriano do Sul

publicado por betelnet às 12:07
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Novembro de 2007

+ Resenha - O Conhecimento de Deus


Apreciação Crítica do Livro

1 Referência Bibliográfica:
Packer, James I. O Conhecimento de Deus, São Paulo, SP: Mundo Cristão, 1987, Terceira Edição em Português (Traduzido do original em inglês “Knowing God”, por Cleide Wolf) .

2 Apresentação do autor
JAMES I. PACKER. Graduado pela Universidade de Oxford, Dr. James I. Packer tem servido como ministro assistente na Igreja de S. João da Inglaterra, Harborne, Birmingham, é Orientador Sênior e Diretor em Tyndale Hall (seminário Anglicano no Bristol). Pregador e conferencista na Grã-bretanha e EUA contribui freqüentemente para revistas teológicas. Seus artigos incluem Fundamenta­lismo e a Palavra de Deus, Evangelismo e a Soberania de Deus, Conhecendo Deus, e Crescendo em Cristo. Atualmente é Professor de Teologia na Universidade Regente de Vancouver, Canadá.

3 Apresentação da obra
Para que fomos criados? qual deve ser o nosso objetivo de vida? O que é a vida eterna que Jesus nos dá? Qual é a melhor coisa na vida? O que o homem pode fazer para melhor agradas a Deus? Estamos neste mundo para conhecer a Deus, e necessitamos mais e mais aumentar o nosso conhecimento sobre ele.

4 Panorama da obra
Do mesmo modo como seria cruel levar um índio da Amazônia de avião até a Praça da Sé para que ele tentasse sobreviver, também seria cruel tentarmos viver neste mundo sem saber nada a respeito de Deus.
A verdadeira religião se encontra em cinco princípios fundamentais do conhecimento de Deus:
1) Deus se relaciona com o homem falando através da Bíblia;
2) Deus é Senhor, cuida da criação e governa o mundo;
3) Deus é Salvador, resgata o homem através de Seu amor ativo e soberano;
4) Deus atua de forma contínua em três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo;
5) O homem deve responder à Deus com confiança, obediência, fé, adoração e louvor, submissão e serviço.
Pode-se saber muito sobre Deus sem se conhecer muito d’Ele, quando estudamos teologia, falamos e pensamos sobre os temas cristãos. Podemos saber sobre piedade através da experiência dos outros.
Quando conhecemos a Deus nos tornamos corajosos e ousados aceitando riscos na nossa vida “segura e estável”. Isto inclui grande alegria n’Ele.
A vida eterna é conhecer a Deus (Jo 17:3).
O conhecimento de Deus envolve em primeiro lugar o ato de OUVIR a palavra de Deus; em segundo lugar NOTAR a natureza e o caráter de Deus revelados pela Sua palavra e obra; em terceiro, ACEITAR o convite e OBEDECER as suas ordens; reconhecer e se ALEGRAR no amor que Ele tem mostrado.
O conhecimento de Deus envolve meditação que é o ato de refletir, ou trazer à mente as coisas que se conhece sobre determinado assunto, para poder aplicá-la à própria vida.
Toda teologia especulativa com base em arrazoados filosóficos em vez da revelação bíblica, está errada (1Co 1:21).
A união da divindade e da humanidade na pessoa de Jesus resulta a mais profunda e impenetrável revelação do cristianismo. A verdadeira “pedra de tropeço” do cristianismo. Sendo Jesus o Deus encarnado torna mais surpreendente a sua morte do que a sua ressurreição. Morre o Imortal.
Ser cristão é estar adotado pelo Pai. A conseqüência disto é:
1) imitar o Pai, glorificar o Pai, aguardar o Pai (base da conduta cristã);
2) oração expontânea e pessoal, livre e ousada (base da oração);
3) não andar ansioso (base da vida de fé);
As provações íntimas servem para nos convencer de nossa própria incapacidade e assim levando-nos a agarrar-nos a Ele mais firmemente. De usa com freqüência a disciplina educativa.
Como cristão sou chamado a ser um homem manso, nem sempre lutando pelos seus direitos, mas entregando a Deus e deixar que Ele me vingue. Minha atitude deve ser a do Bom Samaritano. Devo me preocupar com os velhos, solitários e com as pessoas fora do meu círculo dos “verdadeiros crentes”.
O conhecimento de Deus envolve:
1) saber a seu respeito;
2) relacionamento pessoal;
3) fé;
4) obediência.
O conhecimento de Deus significa:
1) pedir sua misericórdia;
2) tornar-se discípulo.
Em resumo passamos a saber que, Deus nos quer como amigos.

5 Principais destaques da obra
O autor adverte: “Se procuramos obter conhecimentos teológicos como um fim em si mesmo, isso provavelmente só nos irá prejudicar, tornando-nos orgulhosos e convencidos.
O autor questiona o comportamento geral dos crentes, quando olha para trás, enfatizando a necessidade de se ter mais seriedade e direção no conhecimento de Deus. Confronta com alguns testes para julgar se conhecemos de verdade a Deus. Aqueles que conhecem a Deus:
1) tem grande força por Deus;
2) tem grandes idéias de Deus;
3) são ousados por Deus;
4) tem grande alegria n’Ele.
Destaca o caráter de envolvimento pessoal que abrange a mente, a vontade e os sentimentos. Para conhecer outra pessoa, é preciso dedicar-se a seus interesses, buscar sua companhia, enfim, envolver-se com as suas preocupações de um modo intenso.
Fala que o lado emocional do conhecimento de Deus é sempre desencorajado por medo do sentimentalismo meditativo, mas destaca a meditação racional, visto que Deus não existe para nosso “conforto” ou “felicidade”, nem para nos proporcionar “experiências religiosas” como meta principal. Sublinha o fato de pessoas que se baseiam em “experiências religiosas” mas não guardam “os seus mandamentos” (1Jo 2:4).
Critica os cristãos atuais, que esqueceram-se do verdadeiro “espírito de natal”, cuja ambição de vida é construir um belo lar criando seus filhos nos corretos moldes cristãos fazendo agradáveis amigos cristãos de classe média, e deixando que grupos de subclasses médias, cristãos e não-cristãos avancem sozinhos na vida.
Chama o cristão de hoje: O que é um cristão? Sua consciência, como a de Lutero, é cativa da palavra de Deus?
Explica a “Ira de Deus” como sendo reação contra o mal de um Ser moralmente perfeito. Esta ira não é humana, cruel, mas uma ira judicial, portanto tem o caráter do Juiz aplicando a justiça. Justiça esta conseqüência de uma escolha pessoal do homem.
Interessante a figura que o autor chama de “Teologia de Papai Noel”, sobre a bondade e severidade de Deus. No liberalismo se espalhou a crença do “bom Deus”, que levou em si mesma a semente de seu próprio colapso, pois não era possível ver a boa vontade de um Papai Noel celestial em coisas que causavam sofrimento.
Destaca a diferença entre expiação e propiciação, explicando que a última denota tudo que a expiação abrange mais a pacificação da ira de Deus.
Sobre a direção íntima do Espírito Santo chama a atenção para erros vitais quando não se utiliza a Palavra escrita. Formas de fanatismo e insensatez surgiram quando se quer adotar uma “superespiritualidade” que leva à uma confusão frenética. A maneira fundamental usada pelo nosso Criador racional para guiar criaturas racionais, é através do entendimento e aplicação racional de sua Palavra escrita.
Chama a atenção para o cristianismo ”abaixo do padrão” que gera um desenvolvimento espiritual retardado e até introspecção mórbida, histeria, perturbação mental e a perda da fé. Confunde a vida cristã na terra com a do céu, tem-se uma concepção errada da psicologia da obediência cristã: atividade impulsionada pelo Espírito e não passividade impulsionada pelo Espírito.
Adverte que nosso viver é estático e convencional, bem diferente dos cristãos no Novo Testamento, os quais não temiam pelo fracasso. Buscamos a segurança numa vida regrada e não na companhia de nosso Pai celestial.
Demonstra a diferença entre conhecer sobre Deus e conhecer a Deus. Quando se conhece verdadeiramente a Deus, se tem energia para servi-Lo, destemor para compartilhá-Lo e alegria n’Ele.

Elab. p/ J.T.Franco - Ceteg 3/Teologia Sistemática/Prof. Oadi Salum/Seminário Presbiteriano do Sul

Sinopse e Download do ebook (doc) E-books Evangélicos: O Conhecimento de Deus - J. I. Packer

publicado por betelnet às 08:57
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

+ PodCast - Dinheiro

Paulinho, Adriana e Marcelo conversam com Nando Moda que fala sobre a relação do cristão com o dinheiro e dá várias dicas sobre planejamento financeiro. Se você tem dificuldades de lidar com essa ferramenta que deveria ser sua aliada e não sua inimiga, não pode deixar de ouvir este podcast. E aproveite para mandar e-mails e mensagens pois esse tema terá uma continuação no próximo programa.

Dicas de leitura:Casais Inteligentes Enriquecem Juntos Pai Rico Pai Pobre

OUÇA AGORA
Duração: 00:44:45
Download mp3
publicado por betelnet às 22:58
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 27 de Novembro de 2007

+ Video PodCast - Hermeto Pascoal

Hermeto Pascoal (músico) (bl.1) Ele nunca foi um artista pop no Brasil, suas músicas não são tema de novela e não costumam tocar nas rádios. Mas, para quem é da área musical, em todo o mundo, ele é simplesmente um gênio, comparado a grandes nomes da história da música. O programa Personalidade recebe Hermeto Pascoal, o homem que tira música de tudo, de sintetizadores a chaleiras com água!Esse bate-papo musical com Hermeto Pascoal e a cantora Aline Morena tem a participação de Fabrício Rocha, jornalista e apresentador da TV Câmara; Pedro Jorge de Castro, cineasta, professor de Cinema e Televisão; e Giovani de Sousa, músico e diretor do programa “Talentos” da TV Câmara.
Assista ao vídeo da entrevista



























Reprodução autorizada mediante citação da TV Câmara
Outras matérias
29/04/2007
Hermeto Pascoal (músico) (bl.2)
Hermeto Pascoal (músico) (bl.3)

Download

publicado por betelnet às 14:59
link do post | comentar | favorito
Domingo, 25 de Novembro de 2007

Kindle Amazon - Novo E-Book Reader



by Yuri

Há muitos anos o mundo da Tecnologia discute uma questão constante: existe mercado para um leitor eletrônico de e-books? Em outras palavras, você conseguiria ler toda sua coleção de livros em uma tela, ao invés de impressa em papel?

Em 2006, a Sony achou que sim. E agora, após um projeto de três anos, Jeff Bezos lança uma solução de e-reader no estilo Amazon de ser: o Kindle.

[ Reinventando a fórmula do e-book ]

O Kindle chega pesando 280 gramas, 30 a mais que o Sony Reader. Ambos utilizam tecnologia da e-Ink, um “papel eletrônico” que não possui iluminação posterior (ou seja, cansa menos a vista que uma tela LCD ou CRT). Mas enquanto o Sony Reader era somente um gadget, o Kindle chega com várias novidades para viabilizar sua adoção.
A primeira delas é o foco em ergonomia. O Kindle tenta agilizar a passagem de páginas, e tem características interessantes como fazer “orelhas” em páginas do livro (ao invés de selecionar “Page / Bookmark” em um menu). Além disso, ele é adaptado para diversas “pegadas” de livro, já que as pessoas tendem a mudar o livro de posição e segurá-lo de formas diferentes durante a leitura.

Bezos criticava os e-Readers no passado por precisarem de uma conexão wi-fi para baixarem conteúdo. A solução para o Kindle foi usar o EVDO, um padrão de comunicação wireless já em uso por várias portadoras de celular e compatível com diversos celulares existentes. Para evitar cobrar uma taxa mensal do usuário do Kindle, a Amazon criou a WhisperNet - uma rede EVDO funcionando por cima da rede da Sprint e 100% custeada pela própria Amazon. Resultado? Se você estiver nos EUA, tire seu Kindle da bolsa e ele vai acessar o repositório de livros via Internet - e de graça.

Uma terceira novidade é o preço dos 90.000 livros disponíveis para o Kindle: US$ 9,99 (qualquer semelhança com iTunes…). Para facilitar ainda mais a adoção, se você perder seu livro comprado e armazenado no Kindle, pode baixar uma nova cópia da Amazon de graça. Edições diárias do New York times, Wall Street Journal e San Jose Mercury News, além de revistas e blogs, aparecerão atualizadas durante todo o dia - não em RSS, mas com o conteúdo real entregue ao Kindle.

Para completar, o Kindle vem com o Oxford American Dictionary residente na memória, e acessa a Internet normalmente. Além disso, pode-se marcar pedaços do texto (como uma caneta marca-texto) ou extrair trechos para uso posterior. A bateria dura mais de 24 horas de leitura sem necessidade de carga, existe uma saída para headphone (leia-se ouvir MP3 e arquivos Audible) e o conector USB permite usar o micro para gerenciar o conteúdo do Kindle. Pode-se também expandir sua memória com cartões USB.

[ Conclusões ]

O Kindle chega a um mundo povoado de gadgets como o iTouch, iPhone e mini-laptops… Será que há espaço para um e-reader de tela monocromática, mesmo que sua conexão wireless seja gratuita? A Amazon está apostando tanto que já está vendendo o Kindle. E cá entre nós, todo mundo sabe que ela tem poder suficiente para bancar a solução, mesmo que a operação da nova unidade de negócio seja deficitária.

Em breve os hackers irão divulgar seus cracks para o Kindle, e quem sabe ele se tornará um mini-laptop quase tão versátil quanto o Asus-EEE. Mas e você, compraria um Kindle para ler e armazenar seus livros?
Veja os vídeos de teste do
Sony Reader e do Kindle, compare e tire suas próprias conclusões.

http://krenak.com/blog/2007/11/19/kindle-jeff-bezos-e-seu-service-oriented-e-book/
publicado por betelnet às 23:59
link do post | comentar | favorito

Max Weber - Capitalismo ou Socialismo?


Existem pelo menos dois tipos de capitalismos e dois tipos de socialismos sendo utilizados em todo o mundo. Os dois tipos de capitalismos mais utilizados são o Capitalismo Pagão e o Capitalismo Protestante. Os dois tipos de socialismos mais utilizados são o Socialismo ateu (mais conhecido como “científico”) e o Socialismo Católico (mais conhecido como “utópico”). Estas divisões não são muito comentadas no meio acadêmico por razões mais ou menos diplomáticas e anti-religiosas. Mas, na prática, tais divisões existem e fazem muita diferença.
Em termos práticos, o Capitalismo Pagão é utilizado há muito tempo pelos povos que não têm muito compromisso com o princípio de justiça e respeito ao próximo. Já o Capitalismo Protestante, utilizado principalmente pelos países do Primeiro Mundo, nasceu logo após a Reforma Cristã Protestante e, segundo Max Weber, do livro A ética protestante e o “espírito” do Capitalismo, teria surgido com a doutrina calvinista. O Brasil, que não adotou o modelo protestante, continua praticando o Capitalismo Pagão (selvagem): juros altos, salários baixos e preços abusivos.

Nos países de maioria cristã protestante o capitalismo utilizado é o de juros baixos, salários altos e preços justos. Lá, (Estados Unidos, Suécia, Escócia, Finlândia, Noruega, Dinamarca, Inglaterra etc.) o modelo de capitalismo protestante é chamado apenas de Capitalismo. Na verdade, praticamente tudo o que fazem é, em geral, nos moldes protestantes. Talvez, por isso, o povo brasileiro tenha dificuldades para entender a diferença entre o nosso Capitalismo e o Capitalismo do Primeiro Mundo (o protestante).
O Socialismo ateu (“científico”, na linguagem dos marxistas), ficou famoso ao ser adotado pela antiga União Soviética, Cuba, Vietnam, Albânia, Coréia do norte tornando-se, no entanto, mais conhecido como Comunismo. Já o Socialismo Católico (“utópico” na linguagem dos marxistas), é parcialmente utilizado por países europeus de maioria católica (França, Itália, Espanha etc.).
O Capitalismo e o Socialismo, ou a Direita e a Esquerda, ou ainda o Liberalismo e o Comunismo referem-se a conceitos opostos. Mas, numa análise mais detalhada constatamos que podemos, também, considerá-los complementares. Apesar das grandes diferenças os dois lados são representativos e têm suas respectivas finalidades dentro de uma organização social. O Capitalismo1 (associado à direita e ao liberalismo) é inspirado na justiça rígida e na razão enfatizando a recompensa segundo o merecimento individual. Já o Socialismo (associado à esquerda e ao comunismo) é inspirado nas necessidades comuns e no sentimentalismo enfatizando a igualdade independentemente do merecimento individual. Por isso, é natural que existam defensores do conceito socialista e defensores do conceito capitalista numa mesma sociedade.
Sabendo-se que o Capitalismo baseia-se no desejo de liberdade e de justiça (de forma rigorosa e racional), e o Socialismo baseia-se no desejo de igualdade e fraternidade (de forma mais ou menos inclusiva), então não é difícil entender o porquê, de tanto o Capitalismo quanto o Socialismo terem o seu devido lugar numa mesma organização social. O fato de um ser Direita e o outro Esquerda em nada atrapalha desde que fiquem nos seus respectivos lugares. O ideal, na verdade, é dosar o efeito de justiça que está contido no Capitalismo Protestante com o efeito de amor ao próximo que está contido no Socialismo Católico.
A maioria dos brasileiros ainda não sabe, mas o principal motivo que levou o mundo cristão (“mundo ocidental”) a repudiar as nações comunistas foi o fato de proibirem o cristianismo e imporem o ateísmo. As escolas públicas brasileiras, influenciadas pela crendice marxista, não esclarecem esses assuntos aos seus alunos. A própria imprensa nunca teve coragem de dizer ao povo em geral que a guerra fria, entre Estados Unidos e União Soviética era, na verdade, uma guerra fria entre os princípios cristãos e os princípios ateus de origem marxistas. Hoje, já existe liberdade pessoal, social e religiosa na antiga Rússia. O Cristianismo já retornou à nação (principalmente o ortodoxo)2 apesar de parte do povo ainda ser ateísta, (conseqüência da rígida imposição praticada no regime passado).
Se nós, brasileiros, tomarmos como referência os ensinamentos bíblicos, tal como fizeram os principais países desenvolvidos, concluiremos que o princípio de justiça deve vir em primeiro lugar e só depois deve vir o amor envolvendo e preservando a justiça. Portanto, o Capitalismo Protestante, que é baseado na “justiça rígida",3 deve ser a parte estrutural de uma sociedade; deve ser o sustentáculo principal tal qual o esqueleto humano que é propositadamente rígido para dar firmeza e sustentação ao nosso corpo. Já o Socialismo deve ser parte externa, o acabamento "sensível",4 a parte social que envolve a estrutura tal qual a carne, no corpo humano, que é bem mais maleável e igualmente importante na composição do conjunto.
Analise o exemplo a seguir para entender a interação, necessária, entre capitalismo e socialismo: Imagine um prédio em construção, a estrutura de concreto é a parte mais rígida. De fato, ela não é muito simpática, mas é a parte que sustenta o prédio de pé por longos e longos anos. É a estrutura que garante a solidez e a firmeza para que o prédio não caia e nem se desmonte. Já o reboco, com azulejos, mármores, vidros, janelas, ornamentos etc., que envolvem a estrutura (equivalendo ao socialismo), são igualmente importantes porque dão o adequado acabamento tornando o prédio simpático, confortável e acolhedor.
Portanto, se queremos paz e prosperidade, precisamos considerar o Capitalismo Protestante como estrutura econômica e o Socialismo Católico como acabamento social na hora de formular soluções para o Brasil.

NOTAS:

1 Capitalismo - O Capitalismo Protestante se firmou por volta do século XVII e XVIII visando estabelecer liberdade e justiça nas relações trabalhistas, produtivas e comerciais, (um sistema contrário ao trabalho-escravo até então utilizado por todo o Mundo). Nessa ocasião consolidou-se a adoção do livre trabalho assalariado, do sistema de preços e da produção em larga escala pela iniciativa privada.
2 Cristianismo Ortodoxo - Quatro anos depois da queda do Comunismo (1995), 17,5% da população Russa já havia retornado ao cristianismo. Hoje, esse número é bem maior.
3 Justiça rígida - Quem trabalha, ganha. Quem não trabalha, não ganha. - Quem usa, paga. Quem não usa, não paga. - Quem merece, recebe. Quem não merece, não recebe.
4 Sensível - Quem necessita, também recebe. - Quem não pode pagar, também pode usar. - Mesmo quem não merece, não será esquecido.

http://www.renascebrasil.com.br/f_capitalismo.htm

publicado por betelnet às 09:58
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.pesquisar

 

.Setembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Mensagem de Erro Outlook ...

. Turismo em Montevideu - I...

. Turismo em Montevideu - I...

. Turismo em Montevideu - I

. Lokotas - Empanadas da In...

. Instale a Bíblia no eeePc...

. + Habilitando o KDE no Ee...

. Restaurando o Sistema do ...

. Mini Notebook da ASUS

. + Livro - História Natura...

.arquivos

. Setembro 2009

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Março 2007

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds